Warning: mysql_real_escape_string(): 54 is not a valid MySQL-Link resource in /var/www.arte-coa.pt/Classes/DataSource.php on line 92 Warning: mysql_query(): 54 is not a valid MySQL-Link resource in /var/www.arte-coa.pt/Classes/Ligacao.php on line 103 Warning: mysql_real_escape_string(): 54 is not a valid MySQL-Link resource in /var/www.arte-coa.pt/Classes/DataSource.php on line 92 Warning: mysql_query(): 54 is not a valid MySQL-Link resource in /var/www.arte-coa.pt/Classes/Ligacao.php on line 103 Côa

ImagemImprimirDicionário critico

Pictograma

Teresa Castro

Desenhos figurativos representando seres, objectos ou acontecimentos, os pictogramas constituem um dos mais antigos métodos de comunicação. Não possuindo qualquer referente linguístico – isto é, não transcrevendo foneticamente a língua natural, ao contrário dos signos silábicos ou dos alfabetos - os desenhos esquemáticos e estilizados que formam os pictogramas são universalmente reconhecidos. Esta última característica explica o desenvolvimento contemporâneo da pictografia com o intuito de facilitar a transmissão de mensagens. Qualquer pessoa pode facilmente compreender que as silhuetas masculina e feminina colocadas sobre uma porta indicam e distinguem os sanitários masculinos dos femininos; os sinais de trânsito internacionais utilizam também todo um conjunto de pictogramas para veicularem eficazmente mensagens sem recorrer à linguagem. Tanto a dimensão icónica dos pictogramas, contida na etimologia da palavra, que combina o latim pictus (particípio passado do verbo pingere, pintar) com o grego –gramma (coisa escrita ou traçada), como a sua função comunicativa, são absolutamente essenciais.

Palavras chave: desenho; escrita; iconicidade.

Ainda que alguns especialistas hesitem em considerar a pictografia como uma verdadeira forma de escrita, os pictogramas são inseparáveis do desenvolvimento e da história desta última. As tabuletas sumérias realizadas na Mesopotâmia no quarto milénio a.-C. são assim habitualmente consideradas como uma forma de escrita pictográfica [Fig.1]. Motivados por imperativos económicos e de contabilidade, os pictogramas sumérios começaram por representar bens e mercadorias. Pouco a pouco, a associação de dois pictogramas (como o desenho de um pássaro e de um ovo) começou também a designar ideias (no caso do pássaro e do ovo, a de “fecundidade”), dando lugar ao aparecimento de ideogramas. No entanto, a grande revolução da escrita suméria dá-se quando os pictogramas e os ideogramas adquirem um valor fonético, ou seja, quando a certa altura o desenho de uma flecha, por exemplo, deixou de significar uma flecha para designar um som silábico, podendo ser combinado com outros signos para constituir palavras. A transformação da escrita pictográfica suméria num verdadeiro sistema fonográfico ocorreu por volta de 3000 a.-C., coincidindo com a adopção do grafismo cuneiforme.

Apesar deste exemplo, a pictografia não deve ser considerada como uma fase rudimentar da escrita. A ideia de que a
iconicidade da linguagem - isto é, o seu aspecto figurativo – é sinónimo de primitivismo e que a evolução da escrita se faz naturalmente em direcção do concreto ao abstracto é hoje activamente contestada. Inúmeras tribos norte-americanas recorreram a complexos sistemas pictográficos para comunicar, podendo a escrita de tipo pictográfico coexistir com sistemas fonéticos (casos da escrita chinesa e de algumas línguas pré-colombianas).

© CÔA Todos os direitos reservados© All rights reserved